Viva experiências incríveis. Viaje.


TEMPORADA DE TREKKING



É entre os meses de maio e agosto, com poucas chuvas e céus claros, o melhor momento para se embrenhar por montanhas e florestas. Ideal para o Trekking da Serra Fina na Mantiqueira e Serra da Capivara. Confira.

Serra fina – Serra da Mantiqueira – MG A Serra da Mantiqueira pertence a Minas Gerais (60%), São Paulo (30%) e Rio de Janeiro (10%). É uma grande região, composta por diversas unidades de conservação. A Serra Fina fica no meio dos três estados, num grande desnível topográfico. A travessia da Serra Fina é um pouco diferente dos tradicionais circuitos de trekking do Brasil. Embora o trekking tenha apenas 30 km de extensão, o percurso é feito geralmente em 4 dias (3 noites). O cenário é realmente inspirador. Lá, o trajeto é feito quase sempre pelas cristas das montanhas, sendo possível enxergar o quanto já caminhou e o quanto resta percorrer. Esse trekking exige bastante esforço físico e conta com uma travessia bem puxada, porque em todos os dias têm grandes subidas. A cereja do bolo é a Pedra da Mina (2.798 m), considerada o 5º ponto mais alto do Brasil, sendo atingida já no segundo dia de trekking. O Pico dos 3 Estados (2.656 m) é outro gigante da Serra Fina, como o próprio nome diz, é o ponto da divisa dos 3 estados (Minas Gerais, São Paulo e Rio de Janeiro). Há um marco lá no topo identificando a tríplice divisa. Ele pode ser alcançado no terceiro ou quarto dia, dependendo do ritmo da travessia. Há muitos outros pontos legais, como o Vale do Ruah, Cupim do Boi, campings selvagens, o Alto dos Ivos. O inverno é a melhor opção. No Brasil, a temporada de montanha é entre abril e outubro. A travessia da Serra Fina deve ser feita neste período. No verão, que é um período chuvoso, não é viável fazer este trekking, evidentemente pela alta probabilidade de receber tempestades.

Parque Nacional Serra da Capivara – Piauí Este parque situado a 530 km de Teresina, no Piauí, é uma verdadeira viagem no tempo. Patrimônio Histórico e Cultural da Humanidade conferido pela UNESCO em 1991, ele guarda indícios de ocupação humana que podem chegar a 50 000 anos. Em seus 130 000 hectares estão cadastrados mais de 400 sítios arqueológicos, 30 000 pinturas rupestres, além de fosseis de animais pré-históricos. Hoje o parque está muito bem estruturado para a visitação e conta com mais de dez circuitos compostos por várias trilhas para acessar os sítios arqueológicos e lugares de interesse natural para visitar monumentos geológicos, a paisagem, formações vegetais, aves e outros animais, sem perigo para as pinturas e para os visitantes. O parque dispõe também, de diferentes trilhas preparadas para a visitação, apresentando diferentes graus de dificuldade. Algumas são longas e atravessam terrenos de difícil acesso. A Toca do Boqueirão da Pedra Furada apresenta inscrições de vários períodos pré-históricos em um paredão com 70 m de largura. No Sítio do Meio, além das pinturas, os arqueólogos encontraram vestígios de instrumentos usados pelos antigos habitantes, como objetos de pedra lascada e fragmentos de cerâmica. Também merecem destaque o Baixão das Andorinhas, onde todo final de tarde há uma revoada de andorinhas, e o Desfiladeiro da Capivara, que era usado como passagem pelas antigas populações locais. A melhor época para esta aventura seria de março a julho, quando a vegetação está mais verde. O período mais chuvoso vai de novembro a abril .

Inspire-se nas nossas publicações e descubra como é bom.

Assim como os ícones do turismo convencional, escondem atrações menos óbvias que escapam aos olhos da maioria dos viajantes, as “mecas” do ecoturismo também reservam agradáveis (e exclusivas) surpresas para quem se permite ir além do cartão postal. Nessa categoria, na qual o Brasil é pródigo, no topo da lista estão as Chapadas, Parques, Canions e seu imenso cardápio de atrações. Uma verdadeira Disneylândia para aventureiros de todos os níveis – do iniciante ao mais radical. Por isso escolhemos alguns cenários espetaculares para publicar em nosso blog, aproveitem este suculento pacote que preparamos para você.

 

Nas Nuvens Eco Turismo


VIDA NATURAL

HIDRATE-SE – Beber água apenas quando sentir sede é o caminho mais curto para a desidratação. Beba um copo de 200 ml, a cada vinte minutos de caminhada.

Respeite o SOL – Precauções básicas como usar filtro solar não podem ser ignoradas. Quem tem pele oleosa deve evitar filtros espessos e cremosos porque eles favorecem o aparecimento de espinhas. No rosto, use gel ou loção e protetor para os lábios.

Quem destrói florestas não mata apenas árvores. Pense nisso.

Uma toalha que NÃO MOLHA – Muito usada pelos nadadores, é feita de VISCOSE DE RAYON, material que absorve três vezes mais água que um tecido comum, pode ser usada várias vezes se torcida.

O calor da manta METÁLICA – Feito de POLIÉSTER ALUMINIZADO, este cobertor térmico é ideal para as noites frias passadas no mato. A manta reflete o calor do corpo a tal ponto que você pode até dormir sem roupa.

Evite o PÉ de ATLETA – O calor e umidade, são perfeitos para o aparecimento dessa micose. Use meias feitas de um combinado de fibras como algodão, stretch nylon, poliéster e coolMax ABSORVEM O SUOR dos pés, a principal causa da formação de bolhas. Tire-as porém se for atravessar um rio ou terreno pantanoso.